Cidadania e Ética
Princípios e Valores Morais
Espiritualidade.


Temos uma missão, um objetivo, que se inicia pelo seu interesse, pela sua atenção.
O convido para inscrever-se no Boletim informativo, permitindo o envio para o seu e-mail.

Na Blogosfera do Bem, ou no CIBERESPAÇO de Luz estaremos unidos para a construção
do novo paradigma Civilizacional para este terceiro milênio, na SOMA, AMOR+Luz.
Beijos de Luz no seu Coração e na Alma.


Paz Profunda.
Levy






sexta-feira, 18 de novembro de 2011

INDAGAÇÕES SOBRE O VERSO



A Utilidade do Verso

Um diálogo simples pode tornar-se uma pérola valiosa na Literatura
e os vexames recriados e as torturas desencadeadas também...
Quem dará conta de si na euforia da criação?
Ou morrerão as idéias como tudo que já tornou passado?
Buscaremos o salvador, o ídolo, o mito, o herói, o santo?
Saltam as marcas encravadas pelo sol de cada dia.
Os olhos ardem e choram, vencidos, diante do abismo,
mas há uma calma lógica que a respiração molda.
Tudo é visão inevitável
repleta de sensores que comunicam o espírito,
como charretes que carregam orgulho e felicidade,
como um sorriso sincero,
e as brincadeiras que escondem pequenas malícias...
Por aqui há reflexos das guerras
e dos poderes que coexistem em outros poderes.
Façanha que arranha a convivência dos dias,
inércia de classes diante dos indivíduos perdulários
que esqueceram os óbitos...
néscios, rêmoras, sanguessugas, inquilinos da maldade
em aparente bondade global!
Eles, estes, destes, daqueles, deles... a culpa infinda dos homens!
Perdoar? Esquecer as leis, as normas?
Fazer da poesia a ponte
onde há fonte de múltiplos versos,
que indagam pontos de vista,
à vista dos vocábulos até hoje proferidos...

Há uma falta de tempo para meditar sobre os enterros diários,
e uma tristeza explícita causada por bélicas intrigas e mega-interesses,
em nome de deuses, em nome dos tráficos influentes, em nome do terror,
sem nomes, por coisas fúteis, acidentes, catástrofes...
Há dias amargos...horas vãs...segundos que se perdem agora
e um silêncio vencendo a memória...indo e vindo em cada amanhecer.
Há uma flor ferida, ressaca da passagem das décadas,
um inferno que se acentua no mundo.
E, aqui, a poesia vai colhendo suas imagens...
Acolá, há óleos assassinos, manchas pretas,
viuvez de pássaros e peixes.
Lá e aqui, onde se envereda este poema comprido,
que tenta redesenhar o que se passa e o que passou...
Acolá, como uma tela à mostra,
- Não tão bela quanto uma paisagem de Monet,
nem tão surpreendente quanto um atrativo mistério -
distorcida em glórias e troféus
sobre o alvoroço das vidas silenciadas:
meninos de rua, balas perdidas, armas indevidas,
sabores embriagados, sons mudos vindos das esferas...

Neste lado de cá, um poema entre minúsculas e maiúsculas,
se detém nos afazeres digeridos, artesanais, manuais e digitais.
Um relógio a sugerir meio dia, meia noite,
e os sentidos grudados no verso...
O poema não ouve o choro, que não chora, mas registra as lágrimas.
O poema renuncia as extravagâncias desordenadas, molestuosas.
Nega o desperdício dos alimentos pela ignorância generalizada.
Desrespeita as leis criadas por mandantes e mandatos.
Observa o novo e o velho, o místico e o mítico
e tudo que seja útil ou farto
nesta distância entre riqueza e miséria...

Benfazejos os versos que rejubilam
e multiplicam os poemas necessários:
viva os que replantam o pau-brasil,
os que não jogam plástico a esmo,
os que reciclam o lixo,
os que diuturnamente fazem uso dos princípios e direitos...
Viva a notícia verdadeira,
os que defendem o mundo holístico
os que ousam acreditar na possibilidade da aurora e do ocaso
e na possibilidade do amor que se eterniza no tempo...

Genny Xavier.
2006.
Itabuna-Bahiahttp://badeguardados.blogspot.com

Levy Compartilha



sábado, 15 de outubro de 2011

Alimentos: blog action day

Desde 2007, o Blog Action Day convida blogueiros de todo o mundo para postar em seu blog sobre um tema importante e global, no mesmo dia.
Tópicos anteriores incluíram a água, mudança climática e pobreza, e mais de 10.000 blogueiros participaram
.

Hortifruti 23 Inhame 
Este ano, o Blog Action Day está sendo realizado em 16 de outubro de 2011, domingo, que coincide com Dia Mundial da Alimentação.
Leia mais: http://purgly.blogspot.com/2011/10/alimentos-bem-vindo-ao-blog-action-day.html#ixzz1au3gtezn

Purgly: Alimentos Bem-vindo ao Blog Action Day 2011 # bad1...:

Levy Compartilha

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Ética

 

Admirando a Ética 
Jordan Augusto 
As pessoas influenciam-nos, as vozes comovem-nos, os livros convencem-nos, os feitos entusiasmam-nos. 
(John Henry Newman) 

Sempre fui um admirador da ética e seus seguidores. A beleza do respeito alheio e a forma de encará-los, demonstra no homem o valor aprendido. 

Em que e onde, no Brasil, está mais fazendo falta a ética? 
A falta e a quebra da ética ameaça todos os setores e aspectos da vida e da cultura de um país.
Mas não há como negar que, na vida política, a falta ou quebra da ética tem o efeito mais destruidor. Isto se dá porque o político deve ser um exemplo para a sociedade. 

A política é o ponto de equilíbrio de uma nação. Quando a política não realiza sua função, de ser a instância que faz valer a vontade e o interesse coletivo, rompe-se a confiabilidade e o tecido político e social do país

O mesmo acontece quando a classe política apóia-se no poder público para fazer valer seus interesses privados. A multiplicação de escândalos políticos no Brasil só não é mais grave que uma de suas próprias consequências: a de converter-se em coisa banal, coisa natural e corriqueira, diante da qual os cidadãos sejam levados a concluir: sempre foi assim, nada pode fazer isso mudar, ou coisa ainda pior: ele rouba, mas faz.
Do outro lado, uma vida política saudável, transparente,representativa, responsável, verdadeiramente democrática , ou seja, ética, tem o poder de alavancar a autoconfiança de um povo e reerguer um país alquebrado e ameaçado pela desagregação
A ética é um comportamento social, ninguém é ético num vácuo, ou teoricamente ético. Quem vive numa economia a-ética, sob um governo antiético e numa sociedade imoral acaba só podendo exercer a sua ética em casa, onde ela fica parecendo uma espécie de esquisitice. A grande questão destes tempos degradados é em que medida uma ética pessoal onde não existe ética social é um refúgio, uma resistência ou uma hipocrisia. Já que ninguém mais pode ter a pretensão de ser um exemplo moral sequer para o seu cachorro, quando tudo à sua volta é um exemplo do contrário. 
“As Palavras são anões, os Exemplos gigantes-” 
(Provérbio Suiço) 

A palavra Ética é originada do grego ethos, que significa modo de ser, caráter. Através do latim mos (ou no plural mores), que significa costumes, derivou-se a palavra moral. Em Filosofia, Ética significa o que é bom para o indivíduo e para a sociedade, e seu estudo contribui para estabelecer a natureza de deveres no relacionamento indivíduo – sociedade. 
Define-se Moral como um conjunto de normas, princípios, preceitos, costumes, valores que norteiam o comportamento do indivíduo no seu grupo social. Moral e ética não devem ser confundidos: enquanto a moral é normativa, a ética é teórica e busca explicar e justificar os costumes de uma determinada sociedade, bem como fornecer subsídios para a solução de seus dilemas mais comuns. Porém, deve-se deixar claro que etimologicamente “ética” e “moral” são expressões sinônimas, sendo a primeira de origem grega, enquanto a segunda é sua tradução para o latim. 

Levy Compartilha
ética, costumes, valores morais, cidadania, princípios e valores
http://br.groups.yahoo.com/group/TUSB-TEMPLO-UMBANDISTA-SENHOR-DO-BONFIM/




terça-feira, 11 de outubro de 2011

Uma Nova Educação


Se nós compreendermos que o sistema educacional actual nada mais é que uma linha de montagem onde se formatam pessoas para servir um modelo que está em colapso acelarado, em que as crianças são privadas da verdadeira expressão do seu Ser para se transformarem, no fim da linha de produção, em profissionais que se limitam a cumprir aquilo para que foram desenhados, sem a capacidade de inovar, criar, reformular e de pôr em causa tudo aquilo que aprenderam, facilmente podemos concluir que esse mesmo sistema não serve, e que uma revolução profunda tem que acontecer de forma a que um novo paradigma educacional possa surgir.
Enquanto as crianças estiverem sujeitas a um sistema, onde o que é valorizado são os quadros de honra, onde o estímulo que se oferece é o da competição com os colegas pelos lugares nas tabelas dos melhores alunos, onde se impõem modelos desenhados por uns quantos intelectuais em corriculos formatados de cima, nenhum futuro poderemos encontrar neste sistema. Há que saber quebrar com o paradigma actual, e começar a fazer de forma totalmente diferente, onde a educação seja um estímulo para que cada criança possa expressar o melhor de si no contacto com os outros, através da criatividade, da partilha e da expressão plena do Ser em toda a sua potencialidade.
Deixamo-vos um vídeo onde podemos perceber de forma clara o quanto é essencial começar a pensar de forma diferente.
Blog Anuea
http://anuea.org/web/index.php?option=com_easyblog&view=entry&id=3&Itemid=56#.TpS8kKYx6qY.blogger
Paz Produnda
Levy Compartilha

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Indicadores de uma Sociedade Decadente-Por J.Purgly


Sociedade decadente
Frase da filósofa russo-americana Ayn Rand (Judia, fugitiva da revolução russa, que chegou aos Estados Unidos na metade da década de 1920), mostrando uma visão com conhecimento de causa:
  • "Quando você perceber que, para produzir, precisa obter a autorização de quem não produz nada;
  • "Quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores;
  • "Quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você;
  • "Quando perceber que a corrupção é recompensada e a honestidade se converte em auto-sacrifício;
"Então poderá afirmar, sem temor de errar, que sua sociedade está decadente".


http://purgly.blogspot.com/2011/10/indicadores-de-uma-sociedade-decadente.html#ixzz1ZqbVVmsR





quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Diretivas que a juventude necessita


Uma das coisas que mais custa aos adolescentes aprender é o comportamento que corresponde adotar em cada circunstância que se apresenta, no transcurso de seus dias, como um dos tantos obstáculos naturais que aparecem nos caminhos do mundo.

Pode-se dizer que entram às cegas num mundo que lhes é desconhecido, onde se produz o contraste inesperado entre o que conheciam e o que a realidade apresenta a seus incipientes juízos acerca daquilo que esse mundo é em suas múltiplas tonalidades e aspectos. A pouca idade e a falta de experiência e de saber privam-nos das mais elementares defesas, tão necessárias para se prevenirem contra as frequentes quedas.

No jovem a reflexão mal atua, pronunciando-se só naquelas situações que intimamente o afetam, ante as quais o entendimento deve eleger a melhor conduta a seguir, mas sem ter conhecimento sobre as mil e uma figuras enganosas que se movem no cenário da aparência, a qual muitas vezes é tomada por realidade para seu próprio mal, já que logo deve experimentar as amarguras desse engano. Embora seja certo que, nesses casos, fica a experiência como precedente para preveni-lo em situações futuras similares, tampouco é menos certo que tais situações se apresentam sempre sob novos aspectos e diferentes circunstâncias.

A pouca idade e a falta de experiência e de saber privam o jovem 
das mais elementares defesas

Para o ser que começa a ver a vida nos momentos em que ela se transforma em existência independente e responsável, é indispensável recorrer, para uma melhor adaptação a essa realidade cuja força ele começa a sentir, ao conselho dos mais velhos, que já experimentaram esses transes; recorrer também ao estudo e à observação do que é inconveniente nele e nos demais; e, acima de tudo isso, deve realizar uma preparação de caráter integral, que, convocando todas as suas energias para o mais amplo desenvolvimento das faculdades de sua inteligência, possa muni-lo dos conhecimentos que lhe servirão para preservar-se do mal e triunfar nas lutas que precise sustentar contra a adversidade.

Nos centros universitários, o ensino que se ministra é destinado exclusivamente à preparação geral do estudante, isto à parte da especialização, que exige adquirir os conhecimentos da profissão escolhida; porém, ainda não foi tida em conta a possibilidade de se criar uma cátedra dedicada especialmente à preparação da juventude para a vida, na qual lhe sejam oferecidos os elementos de ilustração a esse respeito; uma cátedra que permita aos jovens conhecerem qual deverá ser seu comportamento e sua atuação nas diversas e múltiplas situações que a vida costuma apresentar aos que nela se iniciam.

Tal capacitação traria como resultado um melhoramento na vida de relação e, propiciado por esta mesma capacitação adequada da juventude para tal fim, um desenvolvimento mais fecundo da cultura.

Não há dúvida de que, com tal diretiva, seria assegurado o livre desenvolvimento das forças juvenis, encaminhando-as para atividades criteriosas que, por si sós, haveriam de significar uma grande contribuição para a sociedade.

Trechos extraídos da Coletânea da Revista Logosofia Tomo 1, p. 173

Levy Compartilha

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Reformulação da mentalidade das novas gerações


    Aos Educadores:
    Pedimos sua atenção para um assunto de suma importância para o futuro de todos nós. 
    O Conselho Nacional de Educação – CNE está promovendo um debate em nível nacional visando incluir a disciplina Direitos Humanos nos currículos escolares, do ensino básico e superior. Questionados a respeito da inclusão de Valores Humanos nesses debates as respostas que temos recebido informam que nas aulas de Filosofia, Sociologia, Ética, Cidadania e na própria disciplina Direitos Humanos, já são e serão contemplados os citados Valores. 
    Entretanto, na leitura que nosso grupo (informal) de pedagogos, junto com profissionais de outras áreas, tem feito sobre essa questão, observam-se algumas diferenças pouco percebidas, mas importantíssimas, que nos remetem ao seguinte: 
    Quando se ensina algo, a recepção se dá em nível intelectual, ou seja, é uma informação que o receptor poderá, ou não, aplicar em seu cotidiano. No entanto, quando esse algo é repassado num formato não apenas intelectivo, mas também envolvendo sentimentos, emoções e imagens mentais (estas últimas, visualizadas mediante contos e narrativas) como ocorre nos aprendizados de Valores Humanos, acaba sendo internalizado e passa a fazer parte do caráter. Certamente esse é um processo lento, para médio e longo prazo, mas é essa formação do caráter a estrutura únicasobre a qual será possível construir-se uma sociedade moral e eticamente saudável. 
    Entendemos que o ensino de Filosofia, Sociologia, Ética, Cidadania, Direitos Humanos, etc., sem desconsiderar sua importância na formação humana, não abrange nem substitui os Valores Humanos, que são ensinamentos e vivências sobre honestidade, bom convívio, ética, responsabilidade, justiça, verdade, afetividade, olhar o outro com um olhar de acolhimento, de solidariedade, que são os fundamentos da não violência, lembrando ainda que esses aprendizados incluem também a admiração e o amor pela natureza e pela vida em todas as suas expressões. 
    Portanto, é fácil concluir que, se quisermos ter no futuro uma sociedade “saudável”, o ensino de Valores Humanos deve ocorrer nas salas de aula como matéria específica e num formato próprio, assim como acontecia antigamente, quando os mais velhos os ensinavam às crianças e jovens. Só assim, com esses valores internalizados, e não como informações processadas pelo intelecto, poderemos contar com as transformações interiores tão necessárias em nossa sociedade. 
    Oportuno lembrar que o Programa Cinco Minutos de Valores Humanos para a Escola, de nossa responsabilidade, foi construído de forma a facilitar essa internalização dos valores, com utilização de contos e narrativas especialmente elaborados para cada situação. Com aulas de apenas cinco minutos de duração, que podem ser ministradas, por exemplo, no início de cada turno, as escolas não terão qualquer dificuldade para acrescentá-las ao seu calendário. Além disso, o Programa é inteiramente gratuito e já foi avaliado e adotado por várias secretarias de educação estaduais e municipais, e também recebe apoio do MEC: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/link.html?categoria=19. Recentemente elaboramos um “Passo-a-passo” com todas as orientações para a implantação desse Programa pelas escolas, incluindo um modelo de atividade para sensibilização e motivação dos professores que irão ministrá-lo. Todas as informações pertinentes, assim como download do material didático, se encontram em nosso site:www.cincominutos.org
    Diante do exposto, pedimos que envide os esforços que estiverem a seu alcance para que o ensino de Valores Humanos venha a ser priorizado nas salas de aula do país, de forma que as novas gerações possam internalizá-los, porque só assim, mediante mudanças radicais na mentalidade vigente é possível pensar-se num futuro melhor e mais digno para nós e para nossos descendentes. 
    Atenciosamente, 
    Saara Nousiainen - Coordenadora do Projeto Sócio-Educativo Cinco Minutos de Valores Humanos para a Escola, disponibilizado gratuitamente desde 2008, em:

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Porque a Ética é Importante


    Por 
    Stephen Kanitz
     
    Antigamente, moral e ética eram transmitidas às novas gerações pelas classes dominantes, pela aristocracia, pelos intelectuais, escritores e artistas. 
    Era uma época em que os nobres eram nobres, exemplos a ser seguidos por todos. 
    Hoje, isso mudou. 
    Nossas lideranças políticas, acadêmicas e empresariais não são mais "nobres", nem se preocupam em transmitir valores morais às futuras gerações. 
    Nossa televisão só pensa em lucro, seus donos não têm nenhuma preocupação em ser respeitados pelos seus pares. 
    Não existe mais o noblesse oblige, a obrigação dos nobres, como antigamente. 
    Poetas brasileiros até enaltecem os nossos "heróis sem caráter". 
    Hoje, quem quiser adquirir valores morais e éticos neste mundo "moderno" terá de aprender as regras sozinho. 
    (...)
    Esta é a diferença entre leis e ética. Ética não tem ponto final. Ética não tem perdão, nem cumprimento de pena. Transgredir a ética é uma mancha para sempre. Um horror! 
    Por isso as gerações mais velhas criam uma moral e uma ética, uma religião, uma filosofia de vida. 
    Para ser transmitida às novas gerações para que elas não façam besteiras que possam marcá-las para o resto da vida. 
    Transgredir a moral e a ética de sua comunidade traz penas bem mais severas que transgredir as leis de seu país. 
    Agora, ter uma religião e não seguir os preceitos que ela advoga, algo que ocorre com frequência, é o pior dos dois mundos: aí você não procura uma ética melhor que o satisfaça nem segue a ética determinada por sua religião. 
    (...)
    Os filhos, netos e bisnetos de nossos políticos, homens públicos, líderes e artistas que romperam com a ética terão de conviver com o eterno tititi sobre seus pais e nunca saberão dos comentários ditos pelas costas. 
    Se você tem uma religião e não a pratica, se você odeia as pregações de moralidade que seus pais lhe impõem, isso não o exime de procurar um sistema de referência melhor para sua vida, seja uma outra religião, seja uma conduta filosófica, seja um simples livro de auto ajuda. 
    As consequências podem ser muito mais severas que as leis impostas pelo Estado, como descobriu meu querido amigo Zeca, aquele que transou com a cunhada. 
    Stephen Kanitz é administrador (www.kanitz.com.br
    Artigo Publicado na Revista Veja, edição 1733, ano 35, nº1, 9 de Janeiro de 2002. 
    Levy Compartilha
    Leia mais:

      quinta-feira, 28 de julho de 2011

      AUREUM VISIO by Zelle Bittencourt: about this work

      AUREUM VISIO by Zelle Bittencourt: about this work: "New York Flórida Bay Yukatan Lake photos of caves in Utah * (these will be my next posts in the United States - a tribute to na..."

      domingo, 27 de fevereiro de 2011

      Valores Humanos para crianças e adolescentes





      Aulas fáceis, curtas, prontinhas, interessantes e gratuitas, Sensacional.


      Se você é pai, mãe, avô, avó, professor, educador, diretor de escola, pedagogo ..., enfim, uma pessoa interessada em ensinar valores humanos aos seus pequenos ou adolescentes, aqui está a oportunidade. 

      O Programa 5 Minutos de Valores humanos para crianças e adolescentes conta com 600 (seiscentas) aulas já todas prontinhas e gratuitas. Cada uma aborda sempre um tema principal sobre Valores Humanos (respeito, solidariedade, justiça, fraternidade, inclusão, igualdade, etc.) que influem diretamente nas pessoas definindo o modo de viver e de se relacionar com o mundo. Cada aulinha tem uma duração média de 5 a 10 minutos para que possa promover o resultado que se espera e não se tornar enfadonha. Nas aulinhas são utilizados recursos pedagógicos dinâmicos e interessantes como historinhas, exemplos biográficos, socialização dos assuntos com família e amigos, pesquisa, e mais outros. As aulinhas são todas disponibilizadas gratuitamente por meio de download no site. Todas as aulas estão oferecidas em português e em espanhol. Desejamos traduzir para outras línguas, mas dependemos de voluntários. Se você também quiser oferecer-se como voluntário para traduzí-las, seja benvindo/benvinda. 

      Sobre o grupo de criação do Programa: 

      Fazemos parte de um grupo sem qualquer interesse financeiro, religioso ou político, sendo nosso único objetivo difundir estas idéias sobre a importância de valores humanos a pais e educadores, com uma proposta prática de ensino de valores humanos a crianças, adolescentes e até mesmo adultos. Nossa intenção é contribuir com um mundo mais humano, igualitário, respeitoso das diferenças, inclusivo, amoroso e justo...enfim, um mundo melhor de se viver. 

      Para tanto, nós do grupo (educadores) contribuímos com a criação e difusão do Programa 5 Minutos de Valores Humanos para a Escola, cuja idealização e suas 600 aulas foram escritas por Saara Nousiainen. Cada aula tem duração apenas de 5 minutos em sala de aula, para também não prejudicar a extensa grade curricular escolar. 

      O resultado nas crianças é visível logo nas primeiras semanas e o mesmo se extende para a conivência com a família, amigos e na vida social em geral. Nossa preocupação é de fato com toda essa problemática envolvendo a falta de valores humanos em boa parte de nossa sociedade. Tanto assim que todo o programa, inclusive as 600 aulas estão disponíveis para download de forma totalmente GRATUITA. Já são mais de 20.000 downloads feitos no site (de 2009 a jan/2011) com a aprovação de várias escolas, professores e até secretarias estaduais de educação que o recomendam, dentre alguns sites estrangeiros. 

      A proposta está na íntegra no site www.cincominutos.org e convidamos todos a conhecer este belo trabalho como também utilizá-lo, se assim desejar, em suas atividades em prol de uma sociedade mais digna, justa e fraterna. 

      O programa não é rígido, portanto, pode ser adaptado às necessidades dos envolvidos no processo de aprendizagem. Pais ou responsáveis também podem utilizá-las para melhor educar seus filhos em valores humanos. E o bom é que não são aquelas aulas chatas de conteúdo apenas. A escritora procurou fazer uso de sugestões de meios de socialização de assuntos, exemplos criativos, historinhas, exemplos biográficos, etc. 

      O interesse da idealizadora do programa é apenas poder fazer sua parte para um mundo melhor, que todos sabemos, começa com o cuidado e educação das crianças para que se tornem adultos melhores. 

      Ficamos felizes que já tenham sido feitos mais de 20.000 downloads...porque imaginamos quantas crianças estão aprendendo um pouquinho mais sobre valores humanos e que poderão fazer a mudança no mundo para o bem que todos queremos. Não é mesmo? 

      Se gostou da idéia pode divulgá-la à vontade. Agradecemos! 

      Levy Compartilha
      http://www.cincominutos.org/

      Copiado de:
      A Família, A Tribo e outros Grupos Humanos
      Irene Nousiainen's blog
      <http://www.coolmeia.org/bemcomum/node/101>



      segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

      Capital Humano nas Citações


       Capital Humano nas citações


      O economista e escritor Eduardo Giannetti, ao ser questionado acerca da importância da educação no desenvolvimento de um país, elaborou um artigo composto apenas de citações para aprofundar o tema. Giannotti tem experiência com citações: neste ano, ele lançou o "Livro das Citações". Na obra, ele cita o argentino Jorge Luis Borges para explicar por que gosta de exprimir idéias por meio de palavras alheias: "Que os outros se jactem das palavras que escreveram; a mim me orgulha as que tenho lido".

      "O mais valioso entre todos os capitais é aquele investido em seres humanos" (Alfred Marshall, economista inglês)

      "As estatísticas sobre poupança deveriam incluir o custo de investir em capital humano. A inversão em pessoas é a chave para o desenvolvimento e o crescimento das sociedades." (Gary Becker, economista norte-americano)

      "A vanguarda do progresso pertence aos povos que cuidaram da educação do caráter em plano não inferior ao da educação da inteligência." (Eugenio Gudin, engenheiro e economista brasileiro)

      Levy Compartilha

      sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

      Para este eu tiro o chapéu: grande exemplo.


      Levy Compartilha
      Estreia com exemplo de austeridade







      O deputado federal José Antonio Reguffe (PDT-DF), que foi proporcionalmente o mais bem votado do país com 266.465 votos, com 18,95% dos votos válidos do DF, estreou na Câmara dos Deputados fazendo barulho. De uma tacada só, protocolou vários ofícios na Diretoria-Geral da Casa.


      Abriu mão dos salários extras que os parlamentares recebem (14° e 15° salários), reduziu sua verba de gabinete e o número de assessores a que teria direito, de 25 para apenas 9. E tudo em caráter irrevogável, nem se ele quiser poderá voltar atrás. Além disso, reduziu em mais de 80% a cota interna do gabinete, o chamado “cotão”. Dos R$ 23.030 a que teria direito por mês, reduziu para apenas R$ 4.600.


      Segundo os ofícios, abriu mão também de toda verba indenizatória, de toda cota de passagens aéreas e do auxílio-moradia, tudo também em caráter irrevogável. Sozinho, vai economizar aos cofres públicos mais de R$ 2,3 milhões nos quatro anos de mandato. Se os outros 512 deputados seguissem o seu exemplo, a economia aos cofres públicos seria superior a R$ 1,2 bilhão.


      “A tese que defendo e que pratico é a de que um mandato parlamentar pode ser de qualidade custando bem menos para o contribuinte do que custa hoje. Esses gastos excessivos são um desrespeito ao contribuinte. Estou fazendo a minha parte e honrando o compromisso que assumi com meus eleitores”, afirmou Reguffe em discurso no plenário.


      Parabéns Deputado, vamos divulgar, precisamos de exemplos como este para voltar a acreditar que é possível lutar por UM MUNDO MELHOR.


      Política,cidadania,ética 
      Levy Compartilha

      quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

      O Administrador Socialmente Responsável

        Empresas Preparadas Para Servir 
        Autoria de stephenkanitz
        Rolim Amaro, da Tam, era um amigo que faz muita falta. 
        Ele era o exemplo de um empresário intuitivo, observador, honesto, prova de que diploma não é condição necessária para ser Presidente de empresa ou nação. 
        Eu sempre brincava com ele que se tivesse feito faculdade, hoje ele seria diretor de uma das companhias de aviação concorrente em vez de ser dono da Tam. 
        A característica do Rolim era que ele gostava de servir os outros. 
        Toda a sua atitude neste sentido era autêntica, não era da boca para fora só para ganhar dinheiro. 
        Tanto que ele foi um dos primeiros a apoiar os meus dois projetos sociais, o site voluntarios.com.br e o Prêmio Bem Eficiente. 
        Quando eu apontei que os voluntários que usam nosso site são pessoas predispostas a servir o outro, Rolim imediatamente adotou como prática de seleção que o departamento de pessoal da Tam privilegiasse candidatos a emprego que tivessem sido voluntários quando jovem. 
        O mundo empresarial de hoje é o mundo dos serviços. 
        Daqui para a frente as empresas de sucesso serão as empresas que eu chamaria de “Preparadas Para Servir”. 
        Como criar este tipo de empresa? 
        Transformar empresas para servir o outro será nosso enorme desafio daqui para a frente, e administradores profissionais e socialmente responsáveis vão ter que promover uma mudança cultural de enormes proporções, por razões históricas. 
        Herdamos uma cultura portuguesa greco-romana que via o servir o outro como servidão, um fardo, uma obrigação a ser evitada. 
        Servir o outro era visto como uma penalidade, algo que devia ser evitado a todo custo. 
        O segredo é ser servido, tanto que adotaram a escravidão sem remorso, e nunca servir. 
        Esta mentalidade ficou ainda mais forte no Brasil com quase 400 anos de tradição escravocrata, quando importamos escravos para nos servir, e queremos que o Estado nos sirva de todos as nossas necessidades e obrigações. 
        A maioria dos brasileiros, inclusive muitos intelectuais, querem ser servidos e não servir. 
        Querem aposentadorias integrais, 13o. salário sem existir 13 meses de trabalho, querem serviços públicos em todas as áreas, querem ensino grátis, saúde grátis, transporte grátis, remédios grátis. 
        Querem seus direitos, sem pensar nas obrigações. 
        Por estas razões históricas, o Brasil ainda vive uma enorme resistência a servir os outros, ao contrário de outras civilizações como a chinesa, japonesa e americana, onde servir o outro não é tão mal visto assim. 
        Se ensinarmos as pessoas que servir o outro não é degradante, pelo contrário, de que é um raro prazer, construiremos uma sociedade sólida e uma plataforma de exportação de serviços. 
        Criaremos uma nação de cidadãos compromissados com o cliente e com o social. 
        Visite o nosso site que Rolim ajudou a criar, o www.voluntarios.com.br. É um belo lugar para começar. 
        @stephenkanitz Stephen Kanitz in O Administrador Socialmente Responsável | Permalink
        Levy Compartilha

      domingo, 6 de fevereiro de 2011

      Fórum Social Mundial 2011



      Participe do FSM 2011 de onde você mora e aja por um outro mundo possível! 

      O Fórum Social Mundial 2011 consiste em milhares de atividades auto-organizadas, encontros, discussões e iniciativas de milhares de organizações da sociedade civil para “um outro mundo possível”. 

      Isso acontecerá de 6 a 11 de Fevereiro de 2011 no campus da Universidade de Dakar em Senegal...e em qualquer lugar do mundo de 4 a 13 de fevereiro de 2011. 

      Encontros locais em Dakar ou em qualquer lugar 
      Atividades em espaços públicos 
      Encontro à distância com um grupo em Dakar 
      Participação à distância de uma atividade acontecendo em Dakar. 
      Na sua cidade também... se você quiser que aconteça! 

      O convite para participar vem do Conselho Internacional do FSM 

      “Nós convidamos você para se envolver na atividade que vai se tornar uma das inovações dessa edição do FSM: estimular a criação de grupos – em quantos países for possível e que represente o maior número possível de lutas e grupos sociais – que desejem participar remotamente no FSM, virtualmente, via transmissão de radio ou por qualquer outro meio de comunicação remota, com os participantes do FSM em Dakar. 

      Efetivamente, o que chamamos de “Dakar expandida”, vai ter uma posição proeminete, notavelmente devida a importância das Diásporas Africanas por todo o mundo.” 

      Muitas organizações e redes apoiam e retransmitem esse convite. 

      Organizadores do Fórum de Dakar poem em prática esse projeto para permitir grupos e individuos que não possam vir à Dakar que participem ativamente. Com três possiblidades: encontros a distância com um grupo que esteja em Dakar, participação a distância em uma atividade sendo realizada em Dakar ou realizar uma atividade fora de Dakar e transmití-la. 

      Por que participar de espaços expandidos no FSM 2011? 

      Para desenvolver relações concretas com organizações presentes em Dakar ( incluindo a sua!), em assuntos de interesse em comum e participar de um evento proposto pela sociedade civil africana ( encontros a distância). 

      Para participar de discussões e iniciativas de redes mundiais presentes em Dakar ( participação a distância), dessa forma possibilitando, concretamente, expressão ao indivíduo na dinâmica geral do Fórum Social Mundial. 

      Para entrar em contato com outras organizações locais onde você está e produzir localmente uma dinâmica de fórum social, porém expandindo esse diálogo (atividades locais). 

      Para incluir jovens em momentos informais, acalorados e interativos usando a internet. Use coletivamente a internet de maneira a desenvolver relações local<->local e local<-> global de forma continua e fluente.
      Como começar e preparar sua participação em Dakar expandida/ FSM expandida?
      Nesse estágio inicial o desejo em participar/organizar é claramente mais importante do que ideias concretas e acabadas.


      Esse é o endereço coletivo da equipe de facilitação para a Acolhida e info de FSM extendido  (veja o link abaixo)
      Você descreve brevemente a atividade que está considerando realizar, aqui estão algumas indicações:
      ONDE  sua atividade irá acontecer? QUANDO? QUEM irá organizá-la? COM QUEM, como parceiros a distância(se esse for o caso)? QUAL será o assunto? COMO irá proceder para realizá-la? Qual será seu tipo (atividade local, encontro a distância ou participação a distância)?
      A equpe de Dakar expandida incluirá as informações contidas na sua mensagem na lista das intenções de  atividades expandidas do FSM e definirá  a pessoa a te auxiliar que irá ficar em contato com você até depois da realização do fórum que é quando é construida a memória da sua atividade expandida.
      Essa pessoa fará contato com você, ajudará se precisar criar uma conta de messagens instantaneas e criará uma página para a sua atividade. Ela manterá você informado e poderá dar dicas e conselhos sobre organizar suas atividades ,baseada em experiências acomuladas, e auxiliará quando você for registrar sua atividade no site de Dakar, além de procurar  por um parceiro em Dakar.
      Você também pode compartilhar informações em uma lista de e-mails com outros organizadores de atividades.

      Levy Compartilha

      sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

      Nossa sociedade não respeita o que é público



      O brasileiro tem dificuldade em respeitar leis e instituições.

      Essa é a opinião dos especialistas do Instituto Millenium, o filósofo Roberto Romano e o antropólogo Roberto DaMatta. 


      Romano acredita que o povo brasileiro ainda está aprendendo a viver em grandes sociedades urbanas e para DaMatta, a desobediência é uma herança da sociedade aristocrática e sinaliza status. 


      Em entrevista ao jornal Zero Hora, Romano disse que o público espelha o privado e vice-versa: “Como em todas as relações sociais, há um movimento de imitação. Quando você tem um sistema político onde o recurso público é usado para fins privados, você tem uma sociedade onde o que é público não merece respeito. Pode estragar, quebrar. Nossa sociedade não tem o costume de respeitar o que é público e elege governantes que também não respeitam. É um espelhamento.” 

      Há alguns anos Roderto DaMatta chama a atenção em suas pesquisas para o comportamento do brasileiro que relativiza regras e abusa do “jeitinho” perante normas e leis. 


      No seu livro mais recente, lançado pela editora Rocco, “Fé em Deus e pé na tábua – como e por que você enlouquece dirigindo no Brasil” (2010), DaMatta analisa como o brasileiro age perante as leis de trânsito, o respeito ao outro e em relação à própria segurança sobre duas rodas. 

      DaMatta vê um status na desobediência, tanto no desrespeito às leis em geral quanto as regras do trânsito “Dentro de casa, cada um tem seu espaço na socialização brasileira. Fomos criados em ambientes que comportam hierarquias bem definidas: arrumadeira, passadeira, lavadeira. 
      São os últimos ecos de escravidão e de clientelismo que permeiam a sociedade brasileira. Esse quadro cognitivo, emocional, está nas nossas cabeças. Quando você vai para o trânsito, você tem uma situação desagradabilíssima: obedecer no Brasil é um sintoma de inferioridade. É um aspecto que a pesquisa identificou. Quem obedece, quem segue lei no Brasil, é babaca, idiota”, disse o antropólogo em entrevista ao jornal Zero Hora. 




      Levy Compartilha:

        <http://exame.abril.com.br/rede-de-blogs/instituto-millenium/2011/01/20/brasileiro-ainda-esta-em-processo-de-cidadania/>