Cidadania, ética e valores morais



Cidadania, ética e valores morais
Espiritualidade.

Temos uma missão, um objetivo, que se inicia pelo seu interesse, pela sua atenção.

O convido para inscrever-se no Boletim informativo, permitindo o envio para o seu e-mail.

Na Blogosfera do Bem, ou no CIBERESPAÇO de Luz estaremos unidos para a construção

do novo paradigma Civilizacional para este terceiro milênio, na SOMA, AMOR+Luz.

Beijos de Luz no seu Coração e na Alma.

Paz Profunda.

Levy


sábado, 23 de outubro de 2010

Eleições e Cidadania também

..." Neste dia em que se processa o evento de maior significação dos sistemas democráticos – momento em que os cidadãos escolhem livremente seus representantes , é de esperar que eleitoras e eleitores cumpram seu direito com zelo e sabedoria, sob o axioma de que o voto é o tijolo mais sólido do edifício da cidadania.
Se tal consciência não adquire amplitude, em razão do grau de educação política do maior contingente populacional, classes e setores esclarecidos imbuem-se do dever de puxar a locomotiva de consciência cívica e exercer seu papel de fomentadores do escopo e dos quadros mais necessários ao desenvolvimento político da Nação. Não se podem omitir diante de mazelas que se acumulam nos desvãos das instituições, patrocinadas por algumas dúzias de senhores que teimam em conservar no gelo as sobras bolorentas da velha política. Nem devem execrar a moldura cultural que abriga nosso povo. Gogol ensinava: “Não é por culpa do espelho que as pessoas têm uma cara errada.” O espelho apenas retrata a feição patrimonialista da administração pública. Feição que, periodicamente, passa por um exercício de lapidação, quando milhões de eleitores são chamados a redesenhar a paisagem política, selecionando os atores que frequentarão os palcos institucionais. Infelizmente, esta periódica tarefa mais se assemelha à estrada infinita, sem início nem fim, que encalacrou Zaratustra, o mestre do eterno retorno, cuja angústia era não saber se estava andando para a frente ou para trás. Não conservamos a sensação de que, a cada pleito, contemplamos a mesma velha e desbotada roupa? Ou será que, na esfera política, teremos de sofrer o castigo a que Sísifo foi condenado pelos deuses, o de tentar carregar nos ombros, por toda a eternidade, a pedra ao topo da montanha?
Esta reflexão sobre a corrente da repetição infinita se faz providencial neste dia que, por excelência, é considerado o mais importante da agenda da cidadania"...
leia mais:
Levy Compartilha