Reativando o blog

Prezados leitores (as)
Estamos reativando o antigo blog, inativo a muitos anos.
Com este objetivo, toda contribuição para melhor atender nosso público, (conforme objetivos abaixo) será muito bem vinda.
Esperamos num curto espaço de tempo, atualizarmos as postagens e todo o conteúdo do blog.
Contando com a melhor interação possível, saudamos a todos, colocando nosso espaço para realização da nossa proposta.
Paz e Bem.

Cidadania e Ética
Princípios e Valores Morais
Espiritualidade.

Temos uma missão, um objetivo, que se inicia pelo seu interesse, pela sua atenção.
O convido para inscrever-se no Boletim informativo, permitindo o envio para o seu e-mail.
Na Blogosfera do Bem, ou no CIBERESPAÇO de Luz estaremos unidos para a construção
do novo paradigma Civilizacional para este terceiro milênio, na SOMA, AMOR+Luz.
Beijos de Luz no seu Coração e na Alma.

Paz Profunda.
Levy



sexta-feira, 15 de outubro de 2010

A Arte de Governar ( 2º turno)

Quando a inteligência consegue dominar as forças cegas para que elas sirvam ao bem geral, como é o exemplo das que geram a energia elétrica, de imediato surge a claridade e a ordem; porém, se pelo contrário são as forças cegas as que paralisam a inteligência, convertendo-a em autômato, logo reina a obscuridade e o caos.

No desenvolvimento dos movimentos cívicos, cumprem-se etapas nas quais predomina o passionalismo partidário; são forças cegas que convergem numa só direção:chegar ao poder

Mas, uma vez nele, essas forças devem tornar-se forças inteligentes que temperem e encaminhem todas as demais para uma conciliação harmônica dos interesses gerais.

A arte de governar consiste, pois, em realizar uma obra-mestra, plasmando no grande quadro da vida nacional a perspectiva de um porvir em que apareçam projetados os esforços e afãs de todos os habitantes do país, cada um na esfera de sua capacidade, possibilidade e atividade.

Qualquer setor que faltasse nesse quadro, à semelhança de uma cor não alcançada, empobreceria sua perspectiva.

A obra de governar é extremamente árdua e difícil, tanto pela índole dos problemas a encarar e resolver como pela multiplicidade deles.

O governante, premido muitas vezes pela urgência, que nem sempre dá tempo para amadurecer as reflexões, vê-se diante de dilemas cuja solução o leva até ao sacrifício de seus próprios pensamentos ou pontos de vista.
Trechos extraídos de artigo da Coletânea da Revista Logosofia, tomo 2, p. 246