Cidadania e Ética
Princípios e Valores Morais
Espiritualidade.


Temos uma missão, um objetivo, que se inicia pelo seu interesse, pela sua atenção.
O convido para inscrever-se no Boletim informativo, permitindo o envio para o seu e-mail.

Na Blogosfera do Bem, ou no CIBERESPAÇO de Luz estaremos unidos para a construção
do novo paradigma Civilizacional para este terceiro milênio, na SOMA, AMOR+Luz.
Beijos de Luz no seu Coração e na Alma.


Paz Profunda.
Levy






domingo, 12 de dezembro de 2010

Cidadania Planetária



Breves reflexões 


Vivemos momentos de profundas transformações sociais, e não temos, no plano histórico, referenciais adequados que sirvam de guias confiáveis para as nossas decisões presentes. Assim sendo, estamos inteiramente à mercê do que o futuro irá nos apresentar. Nossa capacidade de planejamento, inteiramente alicerçada em paradigmas que, em sua maioria, já se esgotaram, é questionada todos os dias. Com isso, ninguém mais se atreve a fazer previsões a longo e médio prazo. No máximo, surgem especulações e desenvolvimento de cenários possíveis quanto a como será o futuro dentro de uma ou duas décadas, caso algumas tendências principais se mantiverem. Cenários futuros são como as cartas de um jogo de baralho, com muitas probabilidades e poucas certezas. Teremos conhecimento e sabedoria suficientes para o enfrentamento desse futuro tão incerto, que se aproxima cada vez mais rápido? 

O mundo está pedindo, quase que implorando, novas visões e novos comportamentos éticos, seja entre os próprios seres humanos ou em relação ao Planeta, o que inclui todas as formas de vida. A grande verdade é que não podemos mais prosseguir em direção ao futuro contando apenas com a bagagem que era considerada perfeita até alguns anos atrás. Tudo mudou. E mudou rapidamente. O que ocorria no espaço de duas ou três gerações, hoje acontece no período de uma só geração. E, às vezes, até menos. 

Mas não é somente a Terra que sofre. Todos nós, seres humanos, estamos sofrendo de alguma forma. Quem não estiver sofrendo fisicamente, estará sob a forte tensão gerada pela incerteza e insegurança. Além disso, em meio à Natureza, há um sofrimento calado por parte de todas as formas de Vida. Um grande efeito desse sofrimento contínuo, é que estamos cada vez mais acostumados com ele. Já não nos causa espanto e faz parte do cotidiano. Essa banalização do sofrimento é muito problemática para qualquer sociedade. Ao perdemos, coletivamente, a capacidade de fraternidade, compaixão e solidariedade, cada ser humano fica entregue à sua própria sorte. A civilização fica sob sérios riscos, pois perde, coletivamente, o senso crítico. 

Demografia, ciência, tecnologia, meio ambiente e política formaram um caldo de cultura problemático, incontrolável e explosivo. Não se pode esquecer as questões religiosas e o fundamentalismo crescente no mundo inteiro. Quem se atreve a planejar em meio a um conjunto de variáveis tão difíceis? Um mundo que hoje é caracterizado pela complexidade e incerteza, em constante mudança. O grande problema é que permitimos que o atual sistema econômico-industrial avançasse muito e sem regras definidas. Confundimos crescimento com desenvolvimento, esquecemos a dimensão humana, transformamos cada indivíduo em consumidor e deixamos o problema crescer em demasia. As principais mudanças que hoje são necessárias teriam de ocorrer décadas atrás, quando as coisas ainda estavam em estado latente. Mas a visão que permitiu à Humanidade observar criteriosamente os seus próprios problemas só surgiu no final do século XX. Até então, estávamos vivendo dentro do próprio problema e sem condições de um ponto externo privilegiado que nos permitisse avaliar a tudo aquilo que fazia parte de nossas vidas. Esse ponto privilegiado é o grande acervo de conhecimentos alcançados nos últimos anos. Mesmo assim, ainda não é para todos. 

As mudanças profundas que caracterizam o momento atual trouxeram muitos benefícios inegáveis. Ir contra o avanço do conhecimento e tudo o que ele nos proporcionou seria um ato terrível. O erro principal está no conhecimento sem consciência, pois o conhecimento é um inegável tesouro para quem sabe lidar com ele, mas uma maldição quando em mãos e mentes sem ética. Por isso, surgiram problemas com os quais sequer sonhávamos em meados do século XX, quando tudo parecia ir bem e que o mundo entraria numa fase áurea, desde que os Estados Unidos e União Soviética resolvessem as suas diferenças. A Guerra Fria acabou, a terrível ameaça do holocausto nuclear não se concretizou e, mesmo assim, o Planeta tornou-se o palco de intermináveis problemas. Ocorreu tudo ao contrário do que era esperado ou, pelo menos, sonhado. Onde teríamos errado? A resposta é simples e clara: erramos por não termos gerado, antes de todos os problemas sofrerem um agravamento, as condições necessárias para a formação de uma consciência planetária. 

É claro que os enfoques são diferenciados para cada um dos seus integrantes. Isso se explica porque vivemos no mundo da diversidade: biológica e cultural. Diferentes religiões, diferentes formas de expressar a espiritualidade, diferentes idiomas, diferentes ideologias e sistemas econômicos, diferentes visões de mundo. Diferenças, diferenças e mais diferenças... Como integrar tudo isso? Não será fácil. Contudo, apesar das diferenças, temos um fator comum: a nossa humanidade. Os livros de medicina, por exemplo, servem tanto para curar os orientais quanto aos ocidentais. 

Não viemos para este mundo para desfrutar de férias prolongadas, um breve intervalo temporal em meio à eternidade. Viemos para este mundo com a missão de torná-lo melhor, para nós e nossos descendentes. Viemos em busca de significado e sentido. Ao tornar o mundo melhor, passaremos por um processo interior semelhante. Tenho uma visão espiritual a respeito e sigo os seus parâmetros. Pelo menos para mim tem dado bons resultados. 

A meu ver, a “Hora da Terra é agora”. Não temos mais condições de aguardar que outros façam o que nos cabe por direito e dever, mesmo porque a maioria absoluta das pessoas está preocupada com as dificuldades de sua própria vida, quando não a mais cruel, dura e realista sobrevivência, a luta do cotidiano. Portanto, cada um de nós, conscientes dos problemas, terá de trabalhar de forma a compensar a inércia de milhares de pessoas. Este é o grande desafio para todos aqueles que resolverem trabalhar pela Terra. E quando falamos em trabalhar pela Terra, não se trata apenas de resolver as questões ambientais. Trata-se de tudo o que existe neste Planeta. Não podemos mais tratar apenas de questões pontuais, específicas, resolvendo um problema e dando origem a outro, por vezes bem maior e mais grave. A visão sistêmica, holística e integradora, é uma característica desta época. 

A Humanidade está atingindo a sua maioridade planetária, pronta para uma maioridade cósmica. Passaram a fazer parte da “teia da Vida”, ou seja, despertaram definitivamente para a missão pessoal. Suas vidas nunca mais foram as mesmas. Tudo mudou e mudará mais ainda. 

Deve-se esclarecer que todos os seres humanos são seres planetários. Até mesmo uma simples bactéria é um ser planetário. Mas a cidadania planetária é a consciência de um ser planetário quanto seus próprios direitos e deveres por ter nascido na Terra. Assim, saber quem somos nós é muito importante. Precisamos, portanto, saber onde estão os nossos concidadãos planetários, aqueles que já despertaram e estão dispostos a trabalhar pela Humanidade. 

A “Carta da Terra” deve tornar-se o código de conduta e atuação do Cidadão Planetário. No preâmbulo da Carta da Terra encontramos o rumo a ser tomado pela Humanidade: “...é imperativo que nós, todos povos da Terra, declaremos as nossas responsabilidades uns aos outros, bem como o respeito à vasta comunidade dos seres vivos e das gerações futuras.” Mas quem seriam tais cidadãos? Como escolheríamos tais pessoas? Quais critérios seriam estabelecidos para tão difícil seleção? Existiriam essas pessoas? Uma das exigências seria a de que o indivíduo revelasse um amor incondicional não só pela Humanidade, mas por tudo o que existe na Terra. Em outros termos, pela “Obra da Criação”. Além disso, tais pessoas seriam as precursoras de uma nova era no relacionamento entre os povos. 

Por um privilégio cósmico, habitamos o mais belo e hospitaleiro planeta do Sistema Solar. Estarmos aqui é um grande merecimento e deveríamos agradecer ao Poder Superior, durante todos os dias de nossa existência, por um presente tão significativo. Cada momento vivido, de forma consciente, é único e sagrado, assim como cada Vida é sagrada e pertencente ao Universo. Graças à nossa ação irrefletida, talvez estejamos impedindo a possibilidade de realização de um fabuloso Projeto Cósmico, cujo alcance e propósito não podemos, ainda, sequer imaginar, mas que certamente dele faríamos parte. 

Segundo Max Weber, o sociólogo alemão, a Humanidade teria três fontes básicas de motivação: a espada (força), o dinheiro (ganância) e as palavras (sonho). As duas primeiras já mostraram as suas falhas. Portanto, resta-nos apenas o sonho, o portal da esperança quanto a um mundo melhor, justo e seguro.

 Recorte de trechos extraídos do Projeto Águia Por Paulo R. C. Medeiros
Membro do Conselho Mundial de Cidadania Planetária 


Leia na integra clicando no link abaixo:

Levy Compartilha